fbpx Seis hábitos inteligentes para evitar dores de cabeça na hora de abastecer! - Instituto Combustível Legal
Motor

Seis hábitos inteligentes para evitar dores de cabeça na hora de abastecer!

Publicado em 13/05/2022 por Jean Souza

Quando o frentista do posto pergunta se você vai querer a nota fiscal, sempre diga sim. Esse é apenas um dos hábitos que podem melhorar, e muito, o mercado como um todo e a qualidade do combustível que vai para o seu carro. Em tempo de altas dos preços, é sempre bom reforçar algumas práticas que podem evitar dores de cabeça na hora de abastecer.

Adote essas seis dicas que separamos para você:

1 – Evite se basear apenas pelo preço

Atualmente, existem até aplicativos criados para encontrar gasolina mais barata no mapa, mas confiar cegamente em promoções pode ser perigoso. Como o mercado de combustíveis opera com margens de lucro muito estreitas, desconfie de postos que oferecem preços muito menor que a média. Isso pode ser uma armadilha quanto à qualidade ou quantidade da gasolina, etanol ou diesel.

2 – Conheça os tipos de fraudes praticadas por aí

Bomba fraudada, combustível batizado com solvente, excesso de álcool na gasolina: esses são alguns dos crimes praticados por quadrilhas ou estabelecimentos infratores, seja no centro de grandes capitais ou na beira da estrada.

Já ouviu falar sobre mistura de metanol na gasolina ou no álcool? Esse é outro crime denunciado pelas autoridades, que pode não apenas prejudicar o motor, mas também a saúde do condutor, por misturar um produto tóxico com os combustíveis, além do perigo do contato com a pele. Tenha atenção aos sinais.

Fiscalizações da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) têm identificado, em diversas regiões do país, postos que vendem, através de bombas fraudadas, menos gás natural veicular (GNV) do que é cobrado, até com pressão acima do percentual permitido (2%) pela agência. Em geral, quando isso acontece, o estabelecimento tem a bomba irregular interditada.

Postos piratas, que imitam cores e padrão de uniformes de marcas maiores, e adulteração de lubrificantes e Arla 32, produto usado em caminhões, são outros dos crimes praticados.

Fique por dentro: Saiba mais sobre os golpes praticados contra motoristas

3 – Peça um teste de qualidade

A ANP determina que os postos façam a testagem de combustível, caso o consumidor solicite. Você pode pedir o teste para verificar aspecto, cor, e a densidade do produto, por exemplo. Com isso, o estabelecimento deverá separar uma amostra de gasolina, óleo diesel ou álcool em uma proveta, possibilitando a checagem da transparência do líquido e da presença de impurezas, e se está dentro dos padrões estabelecidos na cartilha da ANP de qualidade.

Se desconfiar que a quantidade que entrou no tanque é diferente do que foi pago, o consumidor pode pedir o teste de vazão, no qual é utilizada uma medida-padrão de 20 litros padronizada pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro).

O combustível é transferido da bomba para esse recipiente e, depois de despejado, confere-se quanto entrou: se tiver 100ml para mais, ou 60 ml para menos, está dentro da lei. Se a diferença for bem maior que isso (e nos casos de fraudes, obviamente, é para menos), é sinal de bomba fraudada.

Fique atento ao cálculo médio de consumo, pois mostra a eficiência energética do abastecimento. Se sua média mudou radicalmente, isso pode ser um sinal de produto adulterado.

Confira seis testes que os postos têm obrigação de fazer na hora da compra

4 – Abasteça em postos de confiança

Pegar o hábito de abastecer sempre no mesmo posto, de marca respeitada, que inspira sua confiança, é uma das melhores práticas para quem dirige. Isso ajuda a observar melhor se houve alguma alteração no veículo depois de um abastecimento.

A bandeira, ou seja, a marca do posto, é conhecida? Se for um estabelecimento que você não conhece, tenha atenção aos sinais de irregularidades.

5 – Adquira o hábito de pedir nota fiscal

Quando você não pede a nota fiscal, pode estar, indiretamente, alimentando a sonegação. Pode não parecer, mas o não pagamento de tributos, ainda mais no setor de combustíveis, um dos que mais arrecadam no país, impacta diretamente no seu dia a dia, já que os tributos deixam de ser aplicados em serviços essenciais, como Saúde, Educação e Segurança.

Estudo da FGV revela sonegação de R$14 bilhões ao ano no setor de combustíveis

Sabia que o cupom fiscal também pode oferecer vantagens para o consumidor? De acordo com o Serasa, pelo menos 14 estados, mais o Distrito Federal, oferecem benefícios e prêmios para quem pede o CPF na nota.

6 – Saiba como denunciar irregularidades

Anote esses números e canais para usar em caso de necessidade. São vários os meios disponíveis para não deixar impunes as irregularidades e prejuízos por comprar produto adulterado ou suspeito.

Caso desconfie de alguma irregularidade, ligue para a Agência Nacional do Petróleo – ANP (0800-970-0267) ou entre em contato com o Procon ou Inmetro de sua região. O site do Instituto Combustível Legal também possui uma seção voltada para facilitar a sua denúncia. Basta colocar a sua região e o tipo de fraude do qual foi vítima para ter acesso aos órgãos de fiscalização competentes e fazer a reclamação!

Leia também: