fbpx Conheça os riscos de abastecer o veículo com combustível de má qualidade - Instituto Combustível Legal
Motor

Conheça os riscos de abastecer o veículo com combustível de má qualidade

Publicado em 02/04/2021 por Antonio Carlos Teixeira

O que é mais importante na hora de encher o tanque do seu veículo? Preço? Bandeira do posto? Atendimento e confiança no serviço oferecido? É provável que pelo menos uma dessas opções façam parte do universo de escolhas no momento de abastecer. Entretanto, um ponto fundamental que você deve ficar atento é com relação à qualidade do combustível. Mas, afinal, como é possível definir o que é um combustível de má qualidade? Quais seriam as suas características?

Consultor Master da BR Distribuidora, Antonio Alexandre Ferreira Correia explica que, de modo geral, é considerado combustível de má qualidade todo aquele que não atende às especificações definidas pela agência reguladora, no caso, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, a ANP. No Brasil, a adulteração de combustíveis como gasolina, etanol e diesel ocorre principalmente pela inclusão de solventes e metanol, ou da mistura de etanol em percentuais acima dos 27% determinados por lei.

Mas nem sempre um combustível de má qualidade diz respeito apenas a um produto que sofreu adulteração. “Em alguns casos, devido a más condições de manuseio e armazenagem, o combustível ficou fora da especificação autorizada”, completa Correia. Segundo a ANP, os combustíveis automotivos não têm um prazo de validade estabelecido, entretanto, a agência reguladora informa que a estabilidade do produto está diretamente ligada às formas de armazenamento: devem estar em condições brandas de temperatura e pressão e sem incidência de luz. No caso do diesel, a ANP recomenda que seja evitado o acúmulo de água para impedir a oxidação e o desenvolvimento de micro-organismos, que provocam a degradação do produto. Para saber mais, visite a página do site da ANP sobre qualidade dos combustíveis.

Vale lembrar que o contato de combustíveis com o corpo deve ser evitado, mesmo os produtos especificados. No caso dos adulterados, os problemas como irritação de pele e de olhos podem ser ainda mais graves

Prejuízos ao veículo

O consultor da BR cita alguns dos principais efeitos causados no veículo pela utilização de combustíveis de má qualidade, incluindo, entre eles, o aumento do consumo e de emissões, formação de depósitos no motor, contaminação do óleo lubrificante, degradação do sistema do catalisador do veículo, carbonização das velas de ignição e entupimento de bicos injetores. Além dos problemas técnicos, Correia alerta para outro fato importante: o consumo e comercialização de combustíveis adulterados podem trazer malefícios tanto para quem tem contato com esse tipo de produto, quanto para a sociedade em geral.

“Como a queima desse tipo de combustível não é correta, o veículo polui mais, aumentando os problemas de saúde. Vale lembrar que o contato de combustíveis com o corpo deve ser evitado, mesmo os produtos especificados. No caso dos adulterados, os problemas como irritação de pele e de olhos podem ser ainda mais graves”, frisa.

Metanol, o perigo invisível

Uma das fraudes mais perigosas no setor de combustíveis é a mistura do metanol com gasolina, ou etanol. A legislação brasileira impede o uso do metanol como combustível devido, justamente, à sua alta toxicidade. Na verdade, esse composto é usado apenas como matéria-prima para sintetizar produtos químicos, que, por sua vez, são usados na produção de adesivos, solventes, pisos, revestimentos, entre outros. A legislação entende que o metanol é insumo, e não combustível.

O metanol pode provocar graves danos à saúde, como cegueira, problemas renais e hepáticos, e mesmo a morte. A intoxicação pode ocorrer por inalação, ingestão, ou absorção cutânea. O metanol tem efeito acumulativo no corpo, podendo ser absorvido em grande quantidade, mas eliminado somente aos poucos. Na manipulação industrial, recomenda-se o uso dos equipamentos de segurança necessários.

 

Como evitar comprar combustíveis de má qualidade?

Se vai abastecer, não custa nada ficar atento para alguns pontos que vão lhe garantir mais tranquilidade. Recentemente, o ICL publicou oito dicas para fugir do combustível batizado. Confira também abaixo as dicas do consultor da BR Distribuidora para se prevenir contra a compra de combustível adulterado!

> Utilize sempre em postos de confiança, de preferência em bandeiras conhecidas;

> Ao abastecer, exija a nota fiscal para comprovar a origem do abastecimento. Isso é imprescindível para possíveis denuncias em caso de irregularidade;

> Desconfie de postos que têm preços muito abaixo daqueles praticados na região. Isso pode indicar algo anormal; e

> Se suspeitar que o seu veículo foi abastecido com combustível adulterado, entre em contato com os Procons estaduais, ou com a ANP, no endereço www.anp.gov.br/fale-conosco.

Faça a sua parte. Se desconfiou, denuncie!

Caso tenha sido enganado na hora de abastecer, saiba que é o seu direito reclamar. E isso pode ser feito por meio de denúncia aos órgãos competentes. Pensando em ajudar o consumidor, o Instituto Combustível Legal possui uma ferramenta chamada Denuncie, que facilita encontrar na sua região o órgão competente para a denúncia que deseja realizar. Acesse o endereço https://institutocombustivellegal.org.br/denuncie/ e escolha o tipo de irregularidade que foi vítima, ou presenciou, e faça valer os seus direitos. Você, consumidor, pode contribuir para um mercado mais justo e honesto para todos.

Leia também: