fbpx ‘O consumidor em primeiro lugar’: Superintendente do Ipem-SP chama atenção para as bombas fraudadas e ressalta importância de denunciar as irregularidades - Instituto Combustível Legal
Comércio Irregular - Destaque Especial - Especiais capa

‘O consumidor em primeiro lugar’: Superintendente do Ipem-SP chama atenção para as bombas fraudadas e ressalta importância de denunciar as irregularidades

Publicado em 22/03/2021 por Alessandra de Paula

No segundo episódio da série de entrevistas “O consumidor em primeiro lugar”, que traz orientações e dicas de especialistas para um abastecimento seguro, o Instituto Combustível Legal (ICL) conversa com Ricardo Gambaroni, superintendente do Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo (IPEM-SP). Ao longo da entrevista, ele destaca, entre outros pontos, a importância de ficar atento aos valores cobrados nos postos: “preços muito abaixo dos praticados pelo mercado devem soar um alerta no consumidor”. Confira a seguir:

Instituto Combustível Legal: A bomba fraudada (quando o equipamento é modificado para entregar menos combustível do que foi pago pelo cliente) é um crime difícil de ser identificado pelo consumidor?  

Ricardo Gambaroni: Muito difícil. É importante que o consumidor tenha um estabelecimento de confiança, onde os abastecimentos constantes permitam conhecer o volume real do tanque do seu veículo e o consumo. Sabendo isso, fica mais fácil reconhecer abastecimentos irregulares.

Instituto Combustível Legal: Muitas vezes, o consumidor só desconfia que foi vítima da bomba fraudada quilômetros depois de abastecer. Como proceder nesses casos? Ele deve denunciar ao Ipem? O que é preciso para isso? 

Ricardo Gambaroni: Deve denunciar imediatamente ao Ipem-SP pela nossa Ouvidoria. O atendimento é feito de segunda a sexta, das 8h às 17h, pelo telefone 0800 013 05 22, ligação gratuita, ou pelo e-mail [email protected]. É importante informar os dados do posto e guardar o comprovante de abastecimento.

É importante que o consumidor tenha um estabelecimento de confiança, onde os abastecimentos constantes permitam conhecer o volume real do tanque do seu veículo e o consumo

Instituto Combustível Legal:   Quais tipos de tecnologias os criminosos vêm utilizando atualmente para fraudar a bomba, entregando menos combustível ao cliente? 

Ricardo Gambaroni: Atualmente, fazem isso por meio da manipulação dos componentes eletrônicos das bombas medidoras, que por dentro lembram muito um computador pessoal.

Instituto Combustível Legal:  E como o IPEM atua frente à constante evolução tecnológica utilizada pelos criminosos? 

Ricardo Gambaroni: Treinamos frequentemente nossas equipes de fiscalização para detectarem as possíveis fraudes nas bombas de combustíveis.

As fiscalizações do Ipem-SP têm a finalidade de proteger o consumidor e aqueles comerciantes que trabalham de maneira correta

Instituto Combustível Legal: Quais são os principais problemas que os agentes do Ipem-SP encontram nos postos de combustíveis? 

Ricardo Gambaroni: Além dos erros em prejuízo ao consumidor, os fiscais encontram falhas na iluminação dos displays, que prejudicam o acompanhamento do abastecimento; mau estado de conservação das bombas de combustíveis, colocando em risco a segurança do usuário; e vazamentos, que prejudicam o meio ambiente, a saúde do usuário e a sua segurança.

Preços muito abaixo dos praticados pelo mercado devem soar um alerta no consumidor. Também é importante ter atenção ao preço do produto mostrado no display da bomba de combustível

Instituto Combustível Legal: Esses crimes afetam também a concorrência leal no mercado? 

Ricardo Gambaroni: Infelizmente, sim, pois os que trabalham de maneira correta acabam sendo prejudicados com os que fraudam. As fiscalizações do Ipem-SP têm a finalidade de proteger o consumidor e aqueles comerciantes que trabalham de maneira correta.

Instituto Combustível Legal: O consumidor não deve se deixar enganar pelos preços baixos? 

Ricardo Gambaroni: Preços muito abaixo dos praticados pelo mercado devem soar um alerta no consumidor. Também é importante ter atenção ao preço do produto mostrado no display da bomba de combustível. O consumidor também deve estar atento ao fato de que a forma de pagamento pode influenciar no valor cobrado. É bom sempre questionar, antes de abastecer, se há diferença no preço do produto devido à forma de pagamento escolhida.

Sempre acompanhe o abastecimento do início ao fim. Saia de dentro do carro para fazer isso. Muitas vezes, o problema não está no instrumento, mas na pessoa que está fazendo o abastecimento

Instituto Combustível Legal: Qual a importância de denunciar as irregularidades para coibir os crimes? 

Ricardo Gambaroni: É importante a denúncia para que nossas equipes de fiscalização possam ir cada vez mais a fundo contra os que cometem práticas ilegais contra o consumidor e comerciantes que trabalham dentro da legalidade.

Instituto Combustível Legal:  Caso o consumidor desconfie ao abastecer que foi lesado em quantidade, qual teste ele pode solicitar? 

Ricardo Gambaroni: Todo posto de combustível é obrigado a ter uma medida padrão de 20L, similar àquelas que as equipes de fiscalização utilizam, e o consumidor pode solicitar que seja feito o ensaio na bomba de combustível em sua presença para que verifique o correto funcionamento do instrumento. É importante o consumidor estar atento à presença do lacre do Inmetro na medida de volume, pois é ele que garante que o resultado deste padrão. Se as dúvidas persistirem, entrar em contato com a ouvidoria do IPEM.

Instituto Combustível Legal:  Qual recado/alerta o senhor gostaria de deixar para os consumidores? 

Ricardo Gambaroni: Sempre acompanhe o abastecimento do início ao fim. Saia de dentro do carro para fazer isso. Muitas vezes, o problema não está no instrumento, mas na pessoa que está fazendo o abastecimento. Como já falado antes, esteja atento ao preço indicado na bomba, pode estar divergente das placas. E conheça seu veículo.

SAIBA MAIS: