fbpx Sistema de escapamento: por que é preciso ter atenção a ele quando o assunto é economia de combustível? - Instituto Combustível Legal
Motor

Sistema de escapamento: por que é preciso ter atenção a ele quando o assunto é economia de combustível?

Publicado em 06/05/2022 por Marcellus Leitão

Poucos sabem, mas o sistema de escapamento de um automóvel é fruto de uma conta que envolve distribuição de pesos, distância do solo, controle de poluição do ar e, pasme, consumo de combustível. O escape tem até elementos de suspensão de borracha que visam a amortecer o movimento de sua massa e deixá-lo livre para que não toque na estrutura do carro, nem rache durante o funcionamento do motor.

Inicialmente, o sistema de exaustão de um veículo é composto por um coletor de escapamento de plástico, ou ferro fundido. É aquela peça acoplada ao bloco do motor, feita sob cálculo exato para receber os primeiros gases da queima em alta temperatura e os encaminhar para o resto do sistema de escape.

Nos carros com turbocompressor, os gases vão para a turbina e auxiliam a compressão da mistura ar-combustível nos cilindros. Nos carros sem turbo, os gases seguem seu caminho para o catalisador, responsável pela filtragem dos poluentes por meio de reação química. O catalisador tem ainda um sensor, chamado sonda lambda, que administra, eletronicamente, a queima de combustível e promove ajustes no funcionamento do motor.

Esses ajustes são vinculados à injeção eletrônica do carro, sendo influenciados pelo uso de gasolina ou etanol. Ou seja, o padrão de queima informa quais ajustes a central de injeção deve fazer. Como os combustíveis têm características térmicas diferentes, a sonda lambda “avisa” que a gasolina ou o etanol podem ser consumidos puros, ou misturados em qualquer proporção pelo motor flex.

Redução de emissão e ruído

Voltando ao funcionamento do escape, depois da passagem dos gases pelo catalisador, eles são impulsionados para o abafador, que tem a missão de reduzir os ruídos a níveis aceitáveis em decibéis, definidos por lei pelos institutos que controlam questões ligadas ao meio ambiente, incluindo, também, os níveis de CO2 emitidos.

Em seguida, um outro cano segue até o silenciador, última seção do sistema, antes de os gases queimados deixarem, propriamente, o veículo rumo à atmosfera. Este silenciador busca reduzir os sons do propulsor emitidos pelo motor do carro.

O curioso é que, muitas vezes, o mesmo motor em modelos diferentes de carros recebe sistemas de escapamento também diferentes por questões de espaço, o que promove mudanças, até mesmo, na distribuição de massas do veículo e, também, no rendimento de potência e torque do motor. Assim, o projeto tem que considerar um sem-número de dados para chegar à melhor fórmula, que pode gerar mais economia com menos emissões.

Manutenção do escapamento X consumo de combustível

Por tudo isso, o sistema de escapamento merece atenção especial, primeiro por estar exposto a pancadas e quebras, que podem comprometer seu funcionamento. Segundo porque o veículo não será aprovado na vistoria oficial dos órgãos de trânsito. Rachaduras e furos impossibilitam a leitura correta dos gases pelos equipamentos de aferição.

E o mais importante: um escapamento com problemas pode, sim, afetar o consumo de combustível. Se lembra da sonda lambda que citei aqui neste artigo? Pois bem, caso o escapamento tenha um furo, ou rachadura, dependendo da localização do problema, a sonda lambda, responsável por gerenciar eletronicamente a queima de combustível, passa a não funcionar corretamente.

Se a avaria no sistema de escape for próxima ao motor, esse tipo de defeito se torna ainda mais evidente, e o carro pode apresentar alterações significativas em seu rendimento. Consequentemente, o consumo de combustível também é afetado.

Bons hábitos de abastecimento para economia de combustível

Já sabemos que para consumir menos combustível, a manutenção do escapamento do seu veículo deve estar em dia. Somado a isso, outros pontos, não menos importantes, devem ser considerados pelo consumidor quando o assunto é economia, sendo um deles ter bons hábitos ao abastecer. Para isso, indico oito dicas para fugir do combustível batizado e dez erros a serem evitados que aumentam o consumo do seu veículo.

E não se esqueça, ao abastecer, utilize sempre postos de confiança!

Até a próxima!

Marcellus Leitão é jornalista especializado em automóveis, já tendo atuado em importantes veículos de imprensa.  

Leia também: