fbpx CEO do Instituto Combustível Legal comparece à troca de comando da Força Nacional de Segurança Pública - Instituto Combustível Legal
18 maio

CEO do Instituto Combustível Legal comparece à troca de comando da Força Nacional de Segurança Pública

Publicado em 25/03/2022 por Jean Souza

O CEO do Instituto Combustível Legal, Guilherme Theophilo, compareceu na quinta-feira (24) à cerimônia de troca de comando da Força Nacional de Segurança Pública (FNSP). O novo diretor do órgão passa a ser o coronel da Polícia Militar do Estado do Acre, José Américo Gaia, que substitui o coronel Aginaldo de Oliveira, comandante do efetivo nos últimos três anos.

A cerimônia foi realizada no Batalhão Escola de Pronto Emprego da Força Nacional, em Gama (DF), e, durante o evento, o atual secretário nacional de Segurança Pública, coronel Carlos Renato Machado Paim, agradeceu a Theophilo pela presença.

O CEO do ICL é general da reserva do Exército Brasileiro, ex-secretário nacional de Segurança Pública, e assumiu o instituto no ano passado, dando destaque para ações de combate ao mercado irregular de combustíveis, em cooperação com órgãos estratégicos de fiscalização, monitoramento e investigação.

Em seu discurso de despedida, coronel Oliveira agradeceu a Theophilo pela indicação de seu nome, em 2019, para a função, bem como reconheceu a confiança depositada ao longo do seu comando.

O evento contou com a participação do secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), brigadeiro Antônio Ramirez Lorenzo, entre outras autoridades.

A Força Nacional de Segurança Pública

Composta por policiais militares e civis, bombeiros militares e peritos das Unidades Federativas, a Força Nacional é um programa de cooperação entre os estados e a União. Os profissionais mobilizados trabalham na preservação da ordem pública, segurança das pessoas e patrimônio, além de atuação em calamidades.

De acordo com o Governo Federal, em três anos, o trabalho da Força Nacional apresentou resultados expressivos em apoio ao combate à criminalidade em todo o país. Foram 244 operações auxiliando órgãos federais e estaduais, de diferentes alçadas: judiciária; polícia técnico-científica; ostensiva; de fronteira; ambientais; em presídios; aéreas de busca, resgate e salvamento; em terras indígenas e missões humanitárias, inclusive internacionais.

Leia também:

Agenda